Thor (2011)

Posted on 21/06/2011 por

4


Quando saí de férias no final do mês de abril pensei que seria uma excelente oportunidade para assistir a alguns filmes e escrever novas críticas para o blog, mas, contrariamente às minhas expectativas, acabei não vendo muitos filmes.

Graças aos esforços do Fábio e do Leandro, o blog contou com dois posts em abril e três em maio.

Para evitar que minhas férias chegassem ao fim sem que tivesse visto pelo menos um filme, acabei indo assistir (sem esperar muito) ao filme do Thor em 3D.

Afinal, todos aguardam ansiosamente pelo filme dos Vingadores e, até então, dos principais integrantes do grupo, só tinham sido lançados o filme do Incrível Hulk (o de 2008, estralado pelo Edward Norton, não aquele rascunho de 2003) e os dois filmes do Homem de Ferro (costumo dizer que eles são estralados pelo Tony Stark, que tenta nos convencer que se chama Robert Downey Jr.).

O filme do Capitão América está previsto para o mês de julho, mas se o filme dos Vingadores for buscar alguma inspiração na animação Ultimate Avengers (2006), então o Thor deveria ser o vingador capaz de encarar o gigante verde da Marvel e fazer com que ele demore um pouco para exclamar: “Hulk smash puny human!”.

Mas vamos à sinopse:

Após muitas guerras com os gigantes de gelo, o reino de Asgard, governado pelo deus Odin (Anthony Hopkins) e sua esposa Frigga (Rene Russo),  vive um período de trégua com Jotunheim, o mundo escuro e gelado governado por Laufey (Colm Feore). A trégua, no entanto, é frágil e só se sustenta porque Odin detém sob sua custódia um artefato que é a fonte do poder dos gigantes de gelo.

Na mitologia nórdica, Asgard é um dos nove reinos (no filme são nove planetas) e o Olimpo dos deuses nórdicos. Heimdall (Idris Elba) é o guardião da ponte que leva a Asgard.

Odin possui dois filhos – Thor (Chris Hemsworth) e Loki (Tom Hiddleston) que, segundo ele, estão destinados a feitos grandiosos, independentemente de qual deles vier a suceder-lhe.

Quando Thor Odinson está prestes a ascender ao trono, um grupo de gigantes do gelo consegue de algum modo invadir Asgard em uma tentativa de recuperar o artefato que lhes foi confiscado.

Os invasores são facilmente derrotados pelas defesas de Asgard, porém Thor, arrogante e impulsivo, decide contra-atacar os gigantes de gelo e, desobedecendo às ordens de Odin, vai a Jotunheim acompanhado por seu irmão e pelos quatro guerreiros Volstaag (Ray Stevenson), Hogun (Tadanobu Asano), Fandral (Josh Dallas) e Sif (Jaimie Alexander).

Lá, Thor desafia Laufey, que acaba declarando nova guerra à Asgard.

Como punição por seus atos e por sua arrogância, Odin retira todos os poderes de Thor e o bane para o reino dos humanos, Midgard (a Terra). Odin também arremessa para a Terra o martelo Mjolnir, dizendo que aquele que tentar empunhá-lo, se for digno, terá o poder de Thor.

O martelo cai no deserto do Novo México e é encontrado e isolado pela SHIELD (quem aguardou o final dos créditos do Homem de Ferro 2?). Thor cai em outra parte do deserto e é encontrado pela cientista Jane Foster (Natalie Portman). Embora Jane Foster ache inicialmente que Thor é um louco, acaba concordando em levá-lo ao local em que o martelo foi encontrado ao passo em que busca respostas para o fenômeno astronômico que estava pesquisando.

Enquanto Thor se encontra na Terra desprovido de seus poderes, o ardiloso Loki se aproveita da situação para tentar assumir o trono de Asgard.

Após assistir ao filme, tenho que admitir que superou minhas expectativas. Ele atende ao seu propósito de apresentar o futuro vingador ao espectador. Particularmente, não o acho tão bom quanto o primeiro filme do Homem de Ferro, mas é uma questão de gosto.

O filme consegue habilmente estabelecer um liame entre a mitologia nórdica e o mundo real, conforme retratado pela Marvel. Asgard ficou muito bem feita por sinal, como é possível ver na imagem anexada a esse post.

 Já a parte do filme que se passa em Midgard, não obstante tenha uma ou outra situação engraçada, perde um pouco o ritmo, talvez porque o Thor não tem seus poderes e seja o seu período de provação. A mudança de atitude de Thor – de arrogante e impulsivo para humilde e ponderado defensor dos midgardians – parece ocorrer de forma muito rápida e o romance com Jane Foster também não é lá muito convincente.

Apesar de ter assistido ao filme em 3D, não o achei tão imersivo quanto Avatar e tem algumas cenas que ficam bem escuras.

Por outro lado, o figurino dos personagens está muito bem feito e o elenco é de primeira. Anthony Hopkins representa Odin com muita naturalidade e Idris Elba consegue transmitir a seriedade e o distanciamento do personagem Heimdall. Mas o maior destaque no filme é sem dúvida Tom Hiddleston, o ator consegue interpretar um vilão bastante complexo. Loki é ardiloso e astuto, porém ele realmente se sente ligado por laços familiares a Odin, tem inveja de Thor e deseja que o pai reconheça seu valor.

Por fim, vale mencionar a aparição do agente Coulson da SHIELD (Clark Gregg), que já tinha feito uma ponta nos dois filmes do Homem de Ferro. Agora as referências feitas nos filmes anteriores (Hulk e Homem de Ferro 1 e 2) começam a se ligar como um prelúdio para o filme dos Vingadores.

Para quem se interessar em assistir ao filme, segue abaixo o trailer de Thor, disponível no site do Youtube:

Classificação:

Ficha Técnica:
Título Original: Thor, God of Thunder
Título Nacional: Thor
Direção: Kenneth Branagh
Roteiro: Ashley Miller, Zack Stentz e Don Payne
Elenco Principal: Chris Hemsworth, Anthony Hopkins, Tom Hiddleston e Natalie Portman
Gênero: Aventura, Ação, Fantasia
Ano: 2011 (lançamento no Brasil em abril de 2011)
País: Estados Unidos
Duração: 115 min

Posted in: Ação, Aventura, Fantasia