Especial Oscar 2011: Toy Story 3 (Toy Story 3) 2010

Posted on 20/02/2011 por

1


Continuando com o nosso especial do Oscar 2011, segue a crítica do Toy Story 3, que se destaca dos demais indicados por ser a única animação que está disputando a principal categoria da premiação.

Também aproveito esse post para fazer uma menção honrosa ao meu irmão Guilherme, colaborador oculto do nosso blog e responsável por praticamente todos os avanços de layout do O Cinéfilo Digital.

A Pixar há muito tempo já tirou da Disney o posto de maior estúdio de animação infantil. Capitaneada pelo visionário John Lasseter, revolucionou o mundo das animações com os seus filmes desenvolvidos completamente através do computador. Os seus animados atingiram um nível de excelência que não encontram rivais no cinema, criando clássicos modernos como “Procurando Nemo” ou “Os Incríveis”.

Porém, nenhum filme representa melhor a genialidade da Pixar do que Toy Story, primeiro longa-metragem do estúdio e grande responsável pelo sucesso das animações computadorizadas de hoje em dia. A história dos bonecos que ganham vida quando as crianças não estão olhando já incorporou o imaginário infantil, que há mais de uma década acompanham as aventuras de Woody e Buzz Lightyear.

Toy Story 3 começa com uma belíssima cena de abertura, ilustrando em apenas alguns instantes o crescimento de Andy e o paulatino esquecimento dos seus bonecos. Agora ele está indo para a faculdade e, nessa nova fase da vida, não há mais espaço para brinquedos, optando por guardá-los no sótão de sua casa, com a exceção apenas de Woody.

Contudo, por meio de uma grande confusão, os brinquedos são levados a crer que foram abandonados por Andy e acabam indo parar na creche Sunnyside. Chegando lá, Buzz e companhia são capturados por Lotso, um dissimulado urso de pelúcia que, apesar de sua aparência afável, não gosta mais de crianças e mantém os demais brinquedos da creche controlados por meio de tirania e crueldade.

Condizente com o amadurecimento do seu público – já se passaram 15 anos do lançamento do primeiro filme – Toy Story 3 adota uma abordagem menos infantil do que os demais, trazendo cenas de ação mais fortes e tratando de temas como o abandono e a chegada da maturidade.

Apesar disso, o filme se mantém uma divertidíssima aventura que deve agradar tanto crianças como adultos, especialmente aqueles que já estão familiarizados com os personagens. Por ser o mais longo dos três, talvez o filme seja um pouco menos dinâmico do que seus antecessores, mas nada que possa comprometer o ótimo resultado final.

Tecnicamente o filme também é primoroso, demonstrando porque a Pixar lidera o segmento de animação computadorizada. Além disso, utiliza muito bem a tecnologia 3D, com cenas repletas de profundidade e efeitos especiais, fazendo valer a pena o valor extra cobrado pelos cinemas que fazem exibição em 3D.

Toy Story 3 é uma excelente conclusão para uma série impecável e que, diferentemente do seu concorrente Shrek, acabou no momento certo. Apesar de ter sido indicado ao Oscar, não tem chance de ganhar na categoria principal, uma vez que os filmes de animação ainda são vistos como obras inferiores pelos membros da academia, a ponto de ter uma categoria própria de melhor filme que acaba servindo como prêmio de consolação. É uma pena, pois estes bonecos animados por computador são tão capazes de emocionar e comover os expectadores como os melhores atores de carne e osso.

Nota:

Ficha Técnica:
Título Original: Toy Story 3
Título Nacional: Toy Story 3
Direção: Lee Unkrich
Elenco:Tom Hanks, Tim Allen and Joan Cusack.
Ano: 2010
País:  EUA
Duração: 103 minutos

Posted in: Animação, Aventura