Análise Interpretativa: Pink Floyd The Wall (1982)

Posted on 26/01/2011 por

26


Mais uma de minhas análises interpretativas escritas para o NSI em 2002.

Aviso: por se propor a fazer interpretações subjetivas do filme, o texto revela diversos acontecimentos, inclusive o final. Portanto, recomendo que assistam o filme antes de ler além da introdução.

PINK FLOYD THE WALL (Reino Unido, 1982)

Dir. Alan Parker

I. Introdução – Floyd

O filme “The Wall” é uma obra fruto da imaginação criativa de três pessoas: Roger Waters (roteiro, música), Alan Parker (direção) e Gerald Scarf (animações). A estória, criada pelo então líder do Pink Floyd, trata-se em parte de uma semi auto-biografia, mesclando acontecimentos que fizeram parte da vida do compositor com eventos fictícios.

Antes de se iniciar a análise do filme, faremos um breve “passeio” pela história do Pink Floyd, para entendermos melhor os motivos que levaram Waters a criar “The Wall”.

Após a saída (ou expulsão) de Syd Barret, primeiro líder da banda em meados de 1968, o Floyd deixou de ter uma figura criativa central, passando por um longo período “democrático” (de 68 a 75) em relação à liberdade de composição pelos quatro membros do grupo. Entretanto, a partir do álbum “Animals”, de 1977, Waters passou a dominar a atividade criativa na banda. Nessa época, o Floyd já atingira o estrelato e começava a ser visto como um “dinossauro” do rock por parte da juventude da época, que questionava a estética musical da primeira metade dos anos 70 (leia-se a complexidade do rock progressivo em detrimento de um som mais básico, acessível). Tal repulsa ao rock mais trabalhado ficou imortalizada na camisa usada na época pelo líder dos Sex Pistols, banda seminal do movimento punk inglês: “I hate Pink Floyd”.

Durante um show da turnê de “Animals”, Waters, de cima do palco, cuspiu no rosto de um dos fãs na platéia que tentava agarrá-lo. Depois do show, refletindo sobre o episódio, ele percebeu a que ponto chegara sua relação com o público. Ele deixara de ser um músico expositor de sua arte, se tornando um ditador da mídia, vomitando entretenimento sobre as massas, um público agora bem distante dele. Waters percebeu que fora criado um muro entre ele e a platéia, impedindo uma comunicação real e sincera entre ambos. Surgia então o embrião de “The Wall”.

O álbum foi lançado em 1979, contando com uma mega turnê de divulgação regada de efeitos especiais milionários: um gigantesco muro sobre o palco que era derrubado ao final do espetáculo, uma banda falsa (“surrogate band”) usando máscaras para enganar a platéia, marionetes gigantescas etc. Três anos depois, seria lançado o filme, de Alan Parker.

II. Patinando sobre o gelo fino da vida moderna

“The Wall” conta a estória de Pink (vivido pelo cantor irlandês Bob Geldof), um astro do rock, a partir de suas memórias no exato momento em que ele está tendo um surto. Através das imagens criadas por Alan Parker e Gerald Scarf, somos apresentados a todos os fatores traumáticos na vida de Pink que o levaram a esse ponto.

O filme abre com a imagem do corredor de um hotel na América, onde Pink está hospedado. Ao fundo podemos ouvir uma antiga canção da década de quarenta (“The boy that Santa Claus forget”, de Vera Lynn). A presença dessa música é o primeiro sinal de que estamos entrando nas memórias de Pink, indo direto às suas origens, ao seu passado.

Vemos então um soldado preparando sua arma antes de ir ao campo de batalha. Trata-se do pai de Pink. Aqui entra em evidência um dos fatos mais importantes na vida de Roger Waters, a perda de seu pai na Segunda Guerra Mundial, sem ao menos conhecê-lo. Este acontecimento, de grande influência em sua formação, refletiu em grande parte de sua obra, através de críticas ao belicismo.

De volta ao presente do filme, vemos o protagonista completamente desligado da realidade, quando é interrompido pela faxineira do hotel batendo à porta. Rompem-se os portões.

III. In the Flesh

Alan Parker capturou imagens na canção “In the Flesh?” que representam diversos eventos relacionados com a história de Waters, e que mais tarde retornarão ao enredo do filme. Temos a ditadura do artista em relação à platéia, as violentas cenas desta adentrando o local do show e sendo reprimida pela polícia nas ruas, intercaladas com cenas do campo de batalha na Segunda Grande Guerra, terminando com a morte do pai de Pink.

Alheia à morte do marido, a mãe de Pink descansa em um jardim, ao lado do filho, ainda um bebê. Waters começa a destilar seu veneno, através das críticas aos males da sociedade do século XX.

Vemos o pequeno Pink brincando dentro de uma catedral, enquanto sua mãe ora pelo marido morto em combate. No parque, o menino começa a sentir a ausência da figura paterna ao observar um pai brincando com seu filho. Ao tentar se aproximar dos dois, ele é duramente rechaçado pelo homem.

Em uma cena seguinte, Pink, um pouco mais velho, mas ainda criança, acha em casa os pertences do pai e passa a contemplar o motivo de sua ausência: morto em combate a serviço do império britânico. A música executada durante essa cena, “When the Tigers broke free”, fora feita especialmente para o filme (ela não consta no álbum de 79*).

IV. Imagens infilmáveis

Incumbido de tornar reais imagens que só poderiam existir dentro da mente humana, o animador Gerald Scarf conseguiu criar um universo sombrio a partir de de uma visão altamente pessoal. Através de formas contorcidas, criaturas mutantes, muito sangue, carne e violência, o resultado final é uma das mais originais obras de animação já criadas.

“Goodbye, blue sky”, uma belíssima canção, contrasta com as fortes imagens criadas por Scarf, onde ele mostra o pesadelo que poderia se tornar realidade em mais críticas a Estados beligerantes.

V. Tijolos no muro

Waters mais uma vez faz uso de seus próprios traumas pessoais, e aproveita para criticar o cruel sistema educacional inglês, responsável pela (desin)formação de toda sua geração. Ele inicia sarcasticamente com “The happiest days of our lives”, literalmente destruindo a moral daqueles rígidos educadores, que descontavam suas frustrações pessoais nos alunos:

“But in the town it was well known when they

got home at night, their fat and psychopathic wives

would thrash then within the inches of their lives”

Quando inicia “Another brick in the wall part 2”, vemos os alunos usando máscaras sem face, marchando em fila. De cara, Waters expõe sua visão sobre os objetivos da formação que tivera: moldar de forma segura e padronizada os tijolos (alunos de hoje, cidadãos de amanhã) que formariam o grande muro (a sociedade inglesa) no futuro, destruindo qualquer resquício de individualidade e criatividade. Basta ver a cena onde o professor ridiculariza o poema de Pink em sala de aula. Por curiosidade, o poema é a letra da música “Money”, do álbum “Dark Side of the Moon”, o maior sucesso comercial do Pink Floyd e um fenômeno da indústria fonográfica – até hoje é um dos álbums mais vendidos da história.

Irrompe a revolução dos alunos, que destroem a escola e perseguem os professores, mas que no final nada mais é do que a imaginação de Pink, após ter sido humilhado pelo professor. Não é a toa que essa música se tornou hino de segmentos oprimidos em diversas partes do mundo.

VI. Mama’s gonna check out all your girlfriends for you

Temos agora que Pink, não conseguindo contactar por telefone a esposa na Inglaterra, passa a sentir a falta do carinho materno. Parker evidencia durante “Mother” a relação edipiana entre mães e filhos, intercalando cenas de cuidado materno com cenas da evolução da sexualidade de Pink, indo desde as primeiras descobertas, passando pelo seu casamento e chegando à crise conjugal. Vemos as mazelas trazidas pela fama e o esgotamento criativo, levando ao distanciamento da esposa, que irá buscar o afeto negado nos braços de um amante.

Indo em sentido um pouco diferente, mas dentro do mesmo contexto das imagens, a letra de Waters ressalta a super-proteção materna.

Uma belíssima cena merece destaque: Pink, impossibilitado de receber o afeto da esposa, assume a posição fetal, simbolizando a necessidade da proteção materna.

VII. Consciência e inconsciência

Novamente temos as animações de Scarf materializando o lisérgico som do Floyd e a ácida poesia de Waters. Na instrumental “Empty Spaces”, as incríveis imagens de duas flores que se transformam em dois corpos fazendo amor, terminando com a fêmea  assumindo a imagem de um monstro e devorando o macho, é talvez o ponto mais criativo de sua carreira (e até do filme).

Dando seqüência, em “What shall we do now?” (música que ficou de fora do álbum de 1979 por questões técnicas da época: falta de espaço no disco de vinil…), as animações passam a interagir com as críticas de Waters ao consumismo (e talvez a todo o sistema capitalista), e seus males à sociedade.

VII. Gilmour e a luxúria juvenil

Surge a primeira participação de outro membro do Floyd em “The Wall”. A música “Young Lust”, parceria de Waters com o guitarrista David Gilmour – que liderou a banda após a saída de Waters, em 1984 – nos apresenta a tentativa de Pink em buscar a companhia de outra mulher, e talvez de se vingar de sua esposa infiel. No filme, foi feita a opção por mostrar durante essa música, o universo das “groupies”, fãs de artistas que fazem qualquer coisa para estarem perto de seus ídolos.

Uma das garotas chama a atenção de Pink, e este acaba a levando para seu quarto de hotel.

IX. “Careful with that axe, Eugene…”

Pink surta de vez e começa a destruir tudo à sua volta, enquanto a fã apavorada se esquiva dos objetos e foge. Após a destruição total do quarto, encontramos Pink no limiar da sanidade mental, atormentado pelo fantasma de sua esposa adúltera. A espetacular fotografia do filme consegue mesclar perfeitamente as imagens com a música, em especial nas cenas deste segmento. Em determinado ponto, a fotografia simula a imagem obtida nos desenhos animados, criando um meio perfeito para a primeira interação das imagens de Parker e Scarf no filme (imagens reais e animadas). A esposa de Pink, retratada como um monstro (feito em animação), encurrala o ator Bob Geldof pelos cantos da sala.

Após essa cena, temos Pink inerte, quando percebemos que estamos diante dos momentos que antecedem as cenas mostradas no início do filme. O muro – uma metáfora para seu bloqueio em relação ao mundo exterior – aparece pela primeira vez.

X. “Is there anybody out there?”

A primeira parte do filme teve o escopo de traçar um histórico do protagonista, dando ao espectador ciência dos fatores que levaram Pink ao estado crítico. Já a segunda parte nos mostra o que acontece com ele após o colapso.

O tema da loucura nos remete novamente à história do Pink Floyd. Syd Barret, primeiro líder da banda e amigo de juventude de Roger Waters, ficou louco em virtude do uso excessivo de LSD nos anos 60. Conta-se que durante as gravações do álbum “Wish you were here” (feito em homenagem ao próprio Barret, no ano de 1975), o ex-membro do Floyd invadiu o estúdio de gravações completamente ensandecido, fato que marcou profundamente os membros do Floyd, e que certamente teve bastante influência na criação de “The Wall”.

Talvez baseados nesse fato, Paker e Geldof construíram o personagem Pink nesse trecho do filme inspirados pela figura de Barret.

Na sequencia, temos mais retornos de Pink às suas origens. Uma das músicas dessa parte do filme pergunta “Does anybody here remember Vera Lynn?”. Poucos se lembrariam, mas na vida real, ela foi uma cantora da década de quarenta, cuja música certamente fez parte da infância de Waters. Era uma música dela que ressoava na mente de Pink em suas memórias, na cena do corredor do hotel, que abre o filme.

XI. “…go to the show”

O quarto do hotel é arrombado e diversas pessoas entram: seu empresário, o gerente do hotel, enfermeiros, seguranças e assistentes. Pink é sedado durante a belíssima “Comfortably Numb”, outra contribuição de David Gilmour à obra. Nos são mostradas as recordações de Pink cedendo lugar a alucinações. Ele se transforma em um enorme verme para renascer como um ditador nazista.

Em pleno show/comício, Pink expõe todo seu desdém pela platéia através de ataques a minorias discriminadas (negros, judeus, homossexuais, e drogaditos). Trata-se da materialização da consciência de Waters o atormentando após o incidente do cuspe na face de um fã durante um show, mas serve como crítica às ideologias de extrema direita, melhor exemplificadas pelo fascismo e pelo nazismo. Tais quais os alunos moldados para serem tijolos (ou ovelhas, seguindo a temática de “Animals”) da sociedade, os indivíduos da platéia não possuem identidade (usam as mesmas máscaras sem face).

É feito um alerta para o ressurgimento destes movimentos de ultra-direita no final deste segmento do filme (que engloba as músicas “In the flesh”, “Run Like Hell” e “Waiting for the worms”). Gilmour e Waters cantam esse alerta nas linhas “Would you like to see Britannia rule again? All you have to do is follow the worms!”. Entra em cena a antológica marcha dos martelos.

Em um corte abrupto, somos levados a um momento onde Pink possivelmente recobrou a consciência. Ele se encontra em um banheiro do que aparenta ser uma instituição psiquiátrica, fora da realidade e talvez entretido com suas memórias.

XII. O Julgamento

Fechando a saga de Pink, temos seu julgamento, onde Scarf aproveita para fazer uma sátira ao sistema judiciário inglês – observe a forma repugnante que ele dá ao advogado de acusação e principalmente ao juiz, retratado como um par de nádegas com uma bolsa escrotal pendurada no lugar do queixo, que no final do julgamento literalmente defeca a sentença, ordenando a derrubada do muro e a conseqüente exposição de Pink.

Durante a música “The Trial” (parceria de Waters com o produtor musical Bob Ezrin) os personagens mais importantes na vida de Pink, caricaturizados por Scarf, servem como testemunhas.

Com a derrubada do muro, vemos crianças recolhendo peças entre os escombros, deixando como mensagem final a esperança.

XIII. Conclusão: Outside the Wall

Acima de gostos pessoais, o filme “The Wall” é uma obra-prima que, pelo seu conteúdo social, merecia ser vista e analisada por todos. O leque de questionamentos propostos pelo filme é tão abrangente que é praticamente impossível encontrar falhas nas sociedades ocidentais do século XX que não tenham sido objeto de crítica nele. Tampouco é fácil a elaboração de um estudo que seja ao mesmo tempo completo e objetivo sobre o filme, tamanha a subjetividade e riqueza de detalhes que ele apresenta.

Uma verdadeira obra de arte, fruto de mentes no auge de seus períodos criativos, trata-se também do registro dos medos de toda uma geração. Apesar do clima pesado e negativo na maior parte do filme, a mensagem final é positiva, nos mostrando que apesar de todas as agruras da vida, sempre teremos a possibilidade de reconstruirmos o presente.

Rio de Janeiro, 10 de agosto de 2002

Nota:

*Segundo informações do leitor André (vide comentários abaixo), “When Tigers Broke Free” foi escrita à época do disco “The Wall”, mas ficou de fora. Segundo a wikipedia, a canção foi, de fato, escrita para o álbum “The Wall”, mas acabou rejeitada pelos demais membros da banda por ter sido considerada “muito pessoal”.

Posted in: Drama, Musical